• 5 coisas que todo empreendedor do ramo de motopeças precisa saber

    Publicado por: Túlio de Mello
    06 de outubro de 2017

    Homem em oficina olhando o notebook

    Nos dias de hoje, com o trânsito cada vez mais caótico e engarrafamentos quilométricos, adquirir uma moto como meio de transporte pessoal tem sido a opção de muitos brasileiros. Assim, para atender a essa demanda que cresce a cada dia, investir em uma empresa no ramo de motopeças pode ser uma ótima ideia!

    Mas, assim como em qualquer outro tipo de empreendimento, é muito importante realizar um planejamento estratégico e financeiro bastante sólido para minimizar os riscos e garantir os melhores resultados para o seu negócio.

    Por isso, separamos algumas dicas sobre vendas, gestão, atendimento e escolha de fornecedores para você, que está pensando em investir em uma empresa no ramo de motopeças e motowear. Confira!

    1. Conheça o público que você vai atender

    Antes de investir em um negócio, é essencial que você analise o público-alvo para conhecer o estilo de motociclista, os tipos de moto, as cilindradas etc. Esse é o primeiro passo para uma estratégia eficiente.

    Para o seu negócio ter sucesso, você precisa planejar o estoque com eficiência, saber se comunicar, promover ações ou promoções assertivas, portanto, saber quem é o seu consumidor é fundamental.

    Lembre-se: é importante se relacionar de acordo com cada perfil e segmento de atuação da sua loja de maneira direcionada.

    2. Conheça bem os produtos que você trabalha

    Montar uma loja no ramo de motopeças vai muito além de encher prateleiras e estantes com os produtos disponíveis.

    Por isso, é fundamental conhecer muito bem cada produto que está sendo comercializado, para que a negociação de venda e a experiência de compra do cliente sejam as melhores possíveis.

    Atualmente, existem inúmeros tipos de motos disponíveis no mercado, como as tradicionais, de rua, esportivas, off-road etc. Conhecer as suas peculiaridades, bem como, as peças e acessórios necessários a cada uma delas, é muito importante.

    3. Programe o estoque

    Além de conhecer muito bem os seus produtos, outro ponto essencial na hora de planejar o seu negócio é o estoque. Qual é o estoque inicial mínimo que você pretende comprar? Qual a frequência de compras para a reposição de cada item?

    Uma boa dica é realizar contagens periódicas dos produtos, comprar itens em quantidades necessárias e utilizar sistemas logísticos eficientes.

    Lembre-se que tratar o estoque como mero depósito pode prejudicar o fluxo de operações e influenciar negativamente no sucesso da sua loja. Veja aqui quais são as melhores práticas para uma gestão do estoque eficiente.

    4. Priorize os funcionários com experiência na área

    Por mais óbvio que pareça, priorizar funcionários com experiência no ramo de motopeças é de extrema importância para garantir que os clientes tenham confiança e a melhor experiência de compra possível.

    É necessário que o funcionário fale a mesma língua que o consumidor para que possa tirar todas as suas dúvidas e até sugerir as melhores peças e produtos. Esses profissionais trarão para dentro do seu empreendimento o conhecimento e a confiança que os seus clientes necessitam.

    5. Busque os melhores fornecedores

    A escolha dos fornecedores está diretamente ligada à qualidade do seu empreendimento. Por isso, na hora das negociações, é preciso muita calma e pesquisa. Mantenha contato com outras pessoas e empresas para encontrar fornecedores de motopeças de confiança.

    Pesquisar preços é muito importante, mas procure prezar pela qualidade dos produtos. Afinal, em muitos casos, o barato sai caro, certo? Peças e acessórios pouco resistentes ou que apresentam defeitos em curto prazo podem prejudicar a imagem da sua loja!

    E aí? Gostou de nossas recomendações? Agora que você já conhece as melhores dicas no ramo de motopeças e motowear, confira a nossa matéria com dicas para expandir sua loja e lucrar ainda mais.


    Escrito por

    Túlio de Mello

    Túlio de Mello

    Especialista em Gestão Estratégica e E-business da Riffel